Mundo púrpura

Tudo o que eu sou eu devo a escrita. Ela me proporciona a calma que, talvez, uma conversa não possa me dar. Ela me tira, mas também me dá forças para continuar, mesmo nos momentos mais ruins. Eu escrevo para poder sentir, é o porquê de eu estar viva.