M. A. Rohten

É acadêmico de psicologia, mas sempre será um contador de estórias. Mesmo que não viesse a publicar qualquer coisa, jamais conseguiria se libertar das fantasias que surgem em seus devaneios e sonhos. Assim que leu as teorias de Carl Jung teve certeza: as figuras que se apresentavam em sua mente eram os Arquétipos, e nelas estava oculto um conhecimento profundo. A maioria de seus escritos é fruto da espécie de transe em que entra quando executa seu ofício, tendo sofrido pouca ou nenhuma alteração posterior.